“Manipulação do Passado”

Consoante o tema do trabalho, optei por uma “metáfora” relacionada com a Conservação e Restauro – área que pretendo seguir a nível profissional. Deste modo, escolhi uma pintura do Paul Klee – “Full Moon”, um dos meus artistas favoritos e adaptei-a ao tema pedido. Para esse efeito, fiz algumas manipulações na imagem, dando alguma textura e um rasgão, de modo a simular uma tela rasgada e oxidada. Optei por esta linguagem, pois, uma tela neste estado, necessita obrigatoriamente de ser restaurada, manipulando deste modo o passado para este perdurar no futuro.

A imagem foi inicialmente “manipulada” no Adobe Photoshop, a partir do qual exportei em formato Bitmap, para depois, transforma-la em Vectorial no Adobe Illustrator, de modo a que esta possa ser aumentada/impressa em grande escala.

.

“Reconstituição da Imagem”_Exercício2

Image

Image

 

 

 

 

 

 

 

 

A metáfora pretendida alude ao processo do restauro, e de recuperar a dignidade e a leitura das imagens, sem no entanto remeter ao próprio fazer do restauro.

As imagens utilizadas como base são referentes a obra La Gioconda existentes no Museo Nacional del Prado, sendo uma antes da intervenção de restauro e outra depois.

Ana Fidalgo – Exercício 2 – Imagem

Escolhi os caminhos-de-ferro como imagem que representa o caminho que quero tomar com este curso…um caminho que me leve a várias oportunidades e me de várias experiências. Ciências da arte e do Património é um curso que nos forma em varias áreas e essas áreas que exploram vários tipos de arte e dá-nos o contacto com vários artistas.

A minha imagem parte de uma fotografia escolhida, da qual recortei a parte que me interessava, sendo antes uma estação de comboio e acabando por ficar apenas os caminhos-de-ferros.

Na imagem vetorial optei por fazer um live trace, escolhi o color 6, e reduzi para apenas 4 cores. Na imagem bitmap mudei a cor da fotografia, pondo-a com uma escala de cinzentos e mexi no nível de escuros, pondo a imagem mais clara.

“Que ninguém me peça esse andar certo de quem sabe
o rumo e a hora de o atingir,
a tranquilidade de quem tem na mão o profetizado
de que a tempestade não lhe abalará o palácio,
a doçura de quem nada tem a regatear,
o clamor dos que nasceram com o sangue a crepitar.

Na minha vida nem sempre a bússola se atrai ao mesmo
norte.
Que ninguém me peça nada. Nada.
Deixai-me com o meu dia que nem sempre é dia,
com a minha noite que nem sempre é noite
como a alma quer.

Não sei caminhos de cor.”

Fernando Namora, in ‘Mar de Sargaços’

Image

Imagem Vectorial

Image

Imagem Bitmap

Exercício 2

Neste exercício escolhi uma pintura do Giorgio Vasari, onde está retratado um dos maiores patronos das artes do Renascimento, Lorenzo d’Medici, herdeiro numa família de banqueiros. Ele desde cedo começou a se interessar pelo mundo das artes, tendo comissionado artista como Leonardo Da Vinci e Miguel Ângelo.

A família Medici foi também muito importante para a preservação da arte clássica, devido ao seu investimento no estudo desta e nas várias cópias que encomendaram.

Escolhi esta obra como metáfora da minha área de interesse, que é os mercados de arte e afins, e para o efeito da modificação visual decidi colocar um cifrão (símbolo universal do capitalismo) nos olhos e ao peito de Lorenzo na imagem Bitmap, para a imagem de vector decidi apenas simplificar a mesma imagem num estilo minimalista monocromático.

Metáfora exercício

Neste exercício optei por falar de um caminho que pretendo seguir, ou caso não seja este ao certo, que seja algo do género – a curadoria. Na imagem 1, optei por representar uma sala de exposições de uma galeria, como se ainda estivesse em estudo e análise, onde a principal obra exposta seria uma “nova fonte” – referente à Fountian de Marcel Duchamp. Esta encontra-se modificada, com outros tons e virada ao contrário, pelo simples facto de não ser a “fonte original” mas sim uma “nova fonte”. Tal como a “fonte original” criou um novo impacto na arte, gostaria que a “nova fonte” criasse alguma nova sensação, por variados motivos. A pessoa que se encontra a olhar, olha não para a obra, mas sim a maneira como a exposição está feita, como se a própria sala de exposições fosse a obra de arte, ou seja, o que está a ser apreciado não são as obras em si mas sim a obra de arte que é a sala de exposições, que tem de resultar a 100% para que as obras de arte funcionem a 100% igualmente. A segunda imagem 2 é feita no illustrator, em vector.

Exercício Metáfora – Investigação (e) Material

 

 

 

 

Metáfora (vetor)

As imagens  apresentadas são uma metáfora para a investigação acerca do tempo da obra de arte, seja seu passado: incluindo o estudo de seu autor e origem, técnicas utilizadas e contexto de produção; seu presente: buscando compreender o processo pelo qual a peça chegou ao sítio onde se encontra e pelo qual está no estado em que se encontra; e seu futuro: tratando a peça em termos de conservação e restauro, de forma a  mante-la “viva” e o mais capaz de alcançar as gerações seguintes possível.

As cores utilizadas na imagem bitmap também remetem, o roxo dos óculos à um estudo mais “espiritual” ou subjetivo da obra de arte, no caso a sua leitura iconográfica e iconológica; e o verde da lupa, oposto à anterior, remetendo a um estudo mais material e objetivo, gerando uma leitura o mais completa possível e que possa levar a uma compreensão da obra como um todo.

A primeira imagem foi realizada em Adobe Photoshop™ CS 5.1, com a montagem de algumas imagens de stock disponíveis na internet, correção de cores e brilho e aplicação de alguns efeitos de camadas e de filtros de imagem. A segunda imagem foi realizada no software Corel Draw ™ X5, com desenho vetorial de alguns elementos (nomeadamente a lupa e o relógio) a partir de imagens de stock e vetorização da imagem do caderno de Leonardo da Vinci.